quarta-feira, 31 de Março de 2010

A EDUCAÇAO EM ANGOLA, ONTEM E HOJE

Introdução

O presente exercício cientifico no âmbito de abordagem sociológico, surge como requisito de avaliação semestral onde tetamos associar o máximo possível de conteúdo para darmos respostas às necessidades, ao questinomento da quilo se refere sublinhar: subdividido em dois capítulos onde no primeiro procuramos reflectir sobre a sociedade, cultura e personalidade; o conceito de cada um deles as tipologias bem como as respectivas características.

O segundo capitulo comporta a raça, etnia, etnicidade e relações étnicas da mesma sequencia com a da anterior apesar de alguns cortes na linearidade de estrutura do conteúdo, fazendo com que houvesse lacunas com toda a humildade, pelo facto da escassa referencia bibliográfica se não mesmo especifica sobre o conteúdo deste capitulo imperado à investigar no âmbito nacional.

O eercicio é de grande interesse na medidad em que surge como um contributo, como um objecto de critica da pequena recolha da quilo que foi possível analizar discursivamente no campo das ciências sociais. Sem mais delongas agradecemos os intervenientes que estiveram na base para a elaboração deste conteúdo, e chamamos os nossos colegas à critica e a avaliação do mesmo.










Este trabalho foi apresentado como requisito de avaliação na disciplina de sociologia em educação…n ano de 2008.





CAPÍTULO I

1. SOCIEDADE

O termo sociedade por questões de precisão tem sido discutido pelos sociólogos, alguns identificam-no como “fenómeno social total” ou seja, sociedade global; outros ainda consideram-no como uma abstracção, confuso e vago (…) para A. Comte define-o como objecto da sociologia. E Durkheim chegou a afirmar que na história houve muitas sociedades: gregas, romanas, adoptado de alto teor de complexidade para poderem ser estudados como um todo. Enquanto E. Wellens caracterizava-o como o conjunto relativamente complexo de indivíduos de ambos os sexos e de todas as idades permanentemente associados e equipados de padrões culturais de seus ideais. Celso A. Castro introdução à sociologia; (2000 ), p. 170

Lalande citado por B. Mondin na sua obra introdução a filosofia, sistemas (1980), p. 319 diz que, é qualquer grupo de indivíduos que se reúne para a consecução de determinados objectivos. O termo designa também um conjunto de indivíduos cujas relações são consolidadas em instituições, e alem disso geralmente garantidas pela existência de sanções.

1.1 Tipos de sociedade e suas características

Permita-me parafrasear de seguida Edgar Morin uum grande pensador das ciências sociais “ devemos situar a nós mesmos situando a sociedade (…) citado por Manuela e outros, sociologia 12ª ano p.15; para dizer que a classificação da sociedade leva designadamente dois grandes problemas que na minha modesta opinião vale aqui refere apesar de estar um tanto quanto fora do âmbito de abordagem especificamente. O primeiro é o dos critérios utilizados para reunir e distinguir as sociedades; o segundo é o do carácter evolucionista das tipologias : o primeiro problema exige perguntas tais como; quais são os caracteres ou elementos das sociedades suficientemente dominantes ou fundamentais para servir de principio a uma classificação, e para lhe conferir um valor e um alcance universal; embora para Guy Rocher “ a sociologia contemporânea tenha chegado a unanimidade sobre este assunto. Sociologia 2 1997 pp. 110-115.

O segundo problema que a do carácter evolucionista ou histórico, ligado a qualquer classificação da sociedade. Ao compararmos entre si para lhes discernirmos os traços comuns e distintos, somos obrigados a distingui-las segundo o grau de adiantamento etc. os critérios utilizados para classificar as sociedades são portanto, critérios usados à luz dos quais se ajuízam do grau de adiantamento das sociedades. (ibidem)

Lewis Spencer citado por Guy R. distinguiu (4) tipos de sociedades que corresponde a quatros estádios da evolução

a) As Sociedades simples

Entre os quais Spencer distingui quatros sub grupos; - as que não possuem nenhuma autoridade politica, - as que têm um chefe ocasional, -as que possuem apenas uma autoridade imprecisa e instável e por fim as que a autoridade politica se organiza de uma forma permanente. Entre estas o mesmo autor ainda distinguiu as sociedades nómadas, semi-nomadas e sedentárias. Todas estas sociedades simples têm em comum, o facto de não serem constituídas por grupos distintos com uma relativa coesão entre si. (op. Cit)

b) As sociedades compostas

Spencer distinguiu também subtipos, segundo têm um chefe ocasional ( não há sociedade composta sem autoridade), uma instável ou permanente, e também são nómadas semi-nomadas ou sedentárias, sobretudo quando o poder se organiza podem observar-se nestas sociedades níveis intermédios cada um deles doptado de uma autoridade que está submetida a autoridade suprema. (Op.cit p.184)

c) As sociedades duplamente composta

os grupos se desdobram, as autoridades se multiplicam e novos modelos de integração devem ser elaboradas. Estas sociedades são todas sedentárias, têm uma organização do poder que pode ser ainda instável ou estabilizada; nestas as cidades e os meios de transportes se desenvolve, que as técnicas de trabalho progridem, que o direito positivo surge e se formaliza.

d) As sociedades triplante compostas

São grandes civilizações de onde surgem os impérios e as grandes religiões e que fizeram progredir a ciência e a arte. As grandes nações modernas, os países industrializados classificam-se evidentemente nesta última classe. Ibidem pp.184-186

2. CULTURA

Para Taylor, antropólogo inglês do século XIX define como todo o complexo em que se incluem os conhecimentos as crenças, a arte, o direito, a moral, os costumes e outras aptidões e hábitos que o homem adquirir como membro de uma sociedade. Manuela silvestre e outros Sociologia 12ª ano (2002), p. 104 ; já para Victor P. define a cultura como esforço humano individual ou colectivo, que põe a natureza ao serviço do homem; deste modo emanando do homem e transmitindo-se pelos homens (op.cit p107). Félix M. Kecsing, citado por Lakatos (1999) p 132; diz que é o comportamento cultivado, ou seja a totalidade da experiência adquirida e acumulada pelo homem e transmitida socialmente.

Uma nova concepção é dado por B. Mondin que apresenta três acepções principais de cultura; elitista, pedagógica e etnológica: a primeira significa erudição “ tem cultura quem possui muitos conhecimentos “, a segunda significa educação “ é a cultura do corpo cultura física ou da alma “mora” etc, para a a última é a forma espiritual de uma sociedade tudo o que a une interiormente. P.304

2.2 Tipos de cultura e suas características

A existência de diversas culturas e etnias nas sociedades actuais tem conduzido a atitudes de xenofobia e racismo nomeadamente contra populações emigrantes. Manuela e outros (op cite p.110-112) a análise de cultura a partir de analise de padrões culturais foi sistematizado por Ruth Benedict, Margaret Meed e raph Linton, todos da escola americana. O estudo incidiu fundamentalmente sobre a pluralidade de modelos culturais e sobre o indivíduo e a cultura em termos de interdependência de adaptação de ajustamento mais ou menos seguidos e de frustrações. P.109 a cultura material ou ergologica, abrange o conjunto de objectos materiais, isto é, artefactos. Na realidade é a manifestação da cultura, enquanto a cultura imaterial ou espiritual consiste em todas as maneiras de sentir, pensar e agir predominados e socialmente aprovados. A cultura imaterial não pode ser pesada nem medida, mas pode ser pré sentida e reflectir-se na cultura material.





3. A PERSONALIDADE

Interpretemos o seguinte conceito dado por Giustiniani, na sua obra “ fascínio e desafios (1993) personalidade vem de persona no latim, indica algo que não está acabado, completo requerendo empenho e capacidade de projecção. Podemos ainda dizer que é uma globalidade adquirida por uma pessoa através de um processo de socialização e que permite caracterizar, interpretar e predizer comportamentos sociais na sociedade de acordo com as expectativas dos outros membros. É também configuração relativamente organizada de atitudes e ideias, crenças e valores que permite reconhecer uma pessoa pelo conjunto de status de papéis do seu comportamento. É também totalidade dos traços que caracterizam a forma de ser, pensar e reagir de uma pessoa, para citar Jorge Pite (1997), p 115

3.3 Tipos de personalidade e suas características

Trouxemos para esta reflexão a tipificação de Sheldon, nas suas teorias da tipificação da personalidade que segundo o mesmo existe há milhares de anos. Mas, antes permita-me fazer uma pequena incursão para chegar naquele que a razão literária deste contexto nos manda anunciado já anunciado; para dizer que Hiocrates medica grego divide o temperamento em quatro: deprimido, optimista, apático e irritado. No início de sua carreira Carl Jung teórico da psicodinâmica classificou as pessoas como predominante introvertidos “tímidos preocupados com os seus próprios sentimentos”, ou extrovertidos “sociáveis”.

Hans Eysenck teórico contemporâneo influenciado por jung, identificou três tipos principais no cerne da personalidade: introversão extroversão, neuroticíssimos “tendência a adquirir sintomas relacionados com a ansiedade” e psicoticismo “ propensão a comportamentos seriamente desorganizado. Sheldon acredita que as pessoas com certos tipos de corpo desenvolvem tipos específicos de personalidade, eis a razão de ter feito uma classificação baseando-se nestes elementos e que apresentamos no quadro a seguir das tipologias corporais e de personalidade (op cit pp.525-526).
Tipo de corpo
endomorfia
Víscera, disgestiva, superde-
Senvolviad, redonda e mole

Mesomorfia
Rígida, retangular, forte, atlectico, músculos altamente desenvolvidos
Ectomorfia
Alto, magro, frágil, cérebro grande, sistema nervoso sensivel

Tipo de personalidade
viscerotona
adora conforto, sociável glu-
tona, bem humorad
Somatotonia
Assertivo, agressivo, activo, directo, corajoso, dominante
Cerebrototonia
Inibido, contido, temeroso, auto consciente
Fig (1)
CAPÍTULO II

3. RAÇA

Raça significa uma divisão da humanidade de que possui em proporções características certas combinações de traçoes físicos que podem ser herdados e que são suficientemente para destacar um grupo como um tipo humano distinto, deve-se notar porém, que o facto de que as raças podem casar entre si e reproduzir-se mostra que são na realidade uma só espécie, sendo todas elas membro de uma família humana.

Segundo Jon Rex raças representam diferenças relativas em características físicas tais como a cor da pele, o formato do nariz a cor dos olhos etc. já para Outwaite, dicionário breve de sociologia do século XX (1996) p.637 “ este conceito tal como tem sido popularmente usado em politica teve profundos afectos na historia mundial recente – os nacionais socialistas na Alemanha, na África do sul.

3.1 Tipos e características

Existem vários critérios científicos na classificação da espécie humana a mais unânime por todo, também por Outwaite já citado é subdividida em três; raça caucasóide “branaca”, mongolóide “amarela”, e negróide “ negra”. Os grupos étnicos constituem em comunidades humanas culturalmente diferentes. As diferenças culturais entre os grupos étnicos podem consubstanciar-se na língua, religião, politica, etc. (Stewart e outros (1978), pp.171-172. para o nosso país a diversidade natural da homogeinidade de etnias, onde encontramos três espaços socioculturais: o espaço sociocultural bantu; khoisan e vâtuas V. kajibamga (1999), temos deste modo em Angola três raças a negróide, causasóide e a hotontote-khoisan “ amarela”.

3.2 Etnias e etnicidade

A abordagem deste assunto que é tão relativa quando uma chama a outra para dar resposta, sentido literal e até mesmo real e preciso, é tão inevitável falar de etnia sem falarmos por outro lado de etnicidade; é como a cultura, sociedade e a personalidade. Para Guy R. etnicidade é uma das principais características socialmente relativas dos seres humanos “está visão também é minha, F. bussulo”. Uma das características delas é a dos grupos étnicos para cuja formação ela contribui, é porém, que as peculiaridades étnicas são comum dos que são parentes biológicos. Uma raça pode ser também um grupo étnico e um grupo étnico pode ser constituído exclusivamente de indivíduos da mesma raça.

Podemos distinguir cerca de onze sociedades étnicas em Angola, as possíveis são na área sociocultural bantu; ambundu, baluba, bakongo, helelo, lunda tu cokwe, nyaneka, ovambo, ovimbundu, e xindonga; na área sociocultural não bantu; nos vatuas temos os kwepes e os kuissos; nos Khoisan temos os bosquimanes, os kozamas e os ova-kedes.

3.3 As relações étnicas

Sobre este assunto V. kajibamga, no seu comunicado (1999), levanta uma questão fundamental das fronteiras étnicas por dentro do nosso país à semelhança da diversidade das áreas socioculturais, também não existem no nosso território fronteiras étnicas rígidas “só por isso acreditamos”, onde observamos ainda alguns espaços transnacionais.


























CONCLUSÃO



Em guisa de conclusão temos a reiterar o seguinte a sociedade, cultura e personalidade, têm em comum o facto de estarem presentes e implicar em toda a acção humana. A acção social é com efeito constituída por uma rede de interacções e de papeis fundados em expectativas mutuas, onde os três sistema embora seja possível distingui-lo analiticamente nenhum dos três é na realidade autónoma ou como disse Guy R. completo em si.

Lewis Spencer distinguiu (4) tipos de sociedades que corresponde a quatros estádios da evolução, nomeadamente; as Sociedades simples: as que têm um chefe ocasional, -as que possuem apenas uma autoridade imprecisa e instável e por fim as que a autoridade politica se organiza de uma forma permanente; as sociedades compostas: têm um chefe ocasional; as sociedades duplamente composta: todas sedentárias, têm uma organização do poder que pode ser ainda instável ou estabilizada e por fim as sociedades triplante compostas onde iremos encontrar as grandes nações modernas, os países industrializados classificam-se evidentemente nesta última classe.

Definimos a cultura como todo o complexo em que se incluem os conhecimentos as crenças, a arte, o direito, a moral, os costumes e outras aptidões e hábitos que o homem adquirir como membro de uma sociedade. A personalidade como uma globalidade adquirida por uma pessoa através de um processo de socialização e que permite caracterizar, interpretar e predizer comportamentos sociais na sociedade de acordo com as expectativas dos outros membros; onde nos apegamos as tipificaloes Sheldon ; endomorfia, Mesomorfia, Ectomorfia, para o corpo e viscerotona, Somatotonia, Cerebrototonia para o tipo de personalidade. Concluímos que em Angola não existem fronteiras étnicas rígidas.

Este trabalho foi apresentado como requisito de avaliação na disciplina de sociologia em educação…n ano de 2008.

Proibido a plágio











Referências bibliográficas


DAVIDOFF, Lilande L.; introdução à sociologia, IIIª edição, S. Paulo, Person Makron books, (2001) pp. 525-526

DEMO, Pedro; introdução à sociologia geral, complexidade, interdisciplinaridade, e desigualdade, social, S.paulo, atlas, (2002), pp. 102-125

LAKATOS, Eva Maria e outros; sociologia geral, VIIª edição, atlas, S.paulo (1999), p.132


MONDIN, B.; introdução à filosofia, problemas e sistemas, IIª ediçao, s.paulus, (1980), p. 304

P, Giustiniani. ; o homem fascínio e desafios, edições paulistas, (1993), p.5


ROCHER Guy, sociologia 2, IIª edição, editora presença, Lisboa, (1997), pp. 8-637

VILANOVA, Sebastião; introdução à sociologia geral, e a um- s. Paulo atlas editora, (2000) p. 50



Francisco Bussulo
_______________
Bacharel em História